logo Melhores Destinos

11 erros para não cometer com o cartão de crédito

Daniel Gadelha
25/03/2021 às 15:22

11 erros para não cometer com o cartão de crédito

Os cartões de crédito são excelentes ferramentas para pagar quase todas as nossas despesas do dia a dia, acumular pontos, milhas ou cashback e ainda construir seu score de crédito. Porém, se você não fizer bom uso dele, usar o cartão pode sair muito caro, você pode ter o nome negativado, ficar impedido de conseguir crédito em outros bancos e todos os benefícios oferecidos por ele irão por água abaixo! Confira os 11 principais erros cometidos com o cartão de crédito e como fugir deles!

1. Pagar a fatura do cartão com atraso

O erro mais óbvio acaba sendo o mais comum para muita gente. Atrasar em alguns dias o pagamento da sua fatura pode não negativar seu nome, mas irá gerar multa, juros e IOF, o que vai sair bem caro, além de prejudicar o seu score de crédito. Então fique atento para não perder a data de vencimento. Para evitar que você esqueça de pagar a sua fatura, ative os alertas do aplicativo do seu banco para ser informado sempre que a fatura já estiver fechada e disponível para pagamento. Outra dica é programar o pagamento em débito automático e ter o valor cobrado na sua conta corrente automaticamente. No entanto, só ative essa opção se tiver certeza de que terá saldo disponível na data da cobrança ou você poderá entrar em outra enrascada também muita cara: o cheque especial.

2. Entrar no rotativo do cartão

Se você pagou a sua fatura dentro do vencimento, ótimo! Mas você pagou o valor total? Quando você não paga o valor integral da sua fatura, você entra no chamado “rotativo”. Ou seja, o banco paga o valor que você deixou em aberto e você fica devendo para ele. Mas claro, isso tem um custo e muito alto! Quem entrar no rotativo do cartão de crédito paga não só uma multa, mas também juros e IOF. Geralmente sai mais caro do que utilizar o cheque especial, que tem taxas absurdas. Além disso, enquanto você estiver no rotativo, você estará utilizando uma porcentagem maior do seu limite de crédito, o que pode prejudicar o seu score de crédito.

Mesmo que você aproveite todos os benefícios do cartão como pontos, milhas ou cashback, todas essas vantagens estarão indo pelo ralo se você pagar juros todos os meses. Sendo assim, pague sempre o valor total da sua fatura e dentro da data de vencimento. Caso passe por um aperto financeiro, o que estamos todos sujeitos, procure outras formas de crédito mais baratas, como um empréstimo consignado.

Uma dica é pagar boletos com o cartão de crédito. Assim você consegue “empurrar” a dívida por um tempo de graça (ou pagando taxas bem menores) dependendo do aplicativo utilizado até conseguir amortizar o valor total. A solução permite que você tenha mais fôlego para quitar a dívida, mas não é uma forma de “criar dinheiro” então use com cautela.

3. Gastar mais do que o que pode pagar

Mas uma dica bem simples, mas que pega muitas pessoas desatentas. Utilizar o cartão pode dar uma falsa sensação de que não se está gastando nada. É importante entender que o limite do cartão de crédito não é uma renda extra ou dinheiro “de graça”. Todas as transações feitas precisam ser pagas dentro do vencimento e no valor total. Não se deixe levar pelas ofertas de comprar parcelado em 10 ou 12 vezes. Muitas parcelas podem pesar no seu orçamento no fim do mês! Se tiver dificuldade em controlar quanto você já gastou, acompanhe os lançamentos no aplicativo do banco. Alguns apps permitem personalizar o limite do cartão. Caso o seu limite seja alto, estabeleça um valor máximo para gastar dentro do mês para não gastar mais do que pode pagar.

4. Sacar dinheiro com o cartão de crédito

Se você se encontrar em uma situação sem dinheiro em especie no bolso, nem pense em utilizar o cartão de crédito para sacar dinheiro. Assim como pagar a fatura em atraso e entrar no rotativo, sacar dinheiro do cartão de crédito terá incidência de juros, IOF e, em alguns casos, uma taxa pelo uso do serviço. Em poucas palavras: é muito caro, não faça isso! Apenas em caso de emergência mesmo. Para piorar, esse tipo de transação não acumula pontos ou milhas, ou seja, motivos é o que não faltam para você pensar duas vezes antes de dar essa mancada.

Como alternativa, saque dinheiro da sua conta corrente. Alguns cartões tem função múltipla e, na maioria das vezes, não há nenhum custo para sacar o dinheiro que você já tem no banco. Até mesmo algumas carteiras digitais como PicPay oferecem a opção de saque em dinheiro em caixas eletrônicos.

Se tiver problemas com o seu cartão de débito, existe a opção de você pagar utilizando PIX ou ainda sacar dinheiro no caixa eletrônico do seu banco usando apenas a sua biometria (impressão digital).

5. Não conferir a fatura do cartão

Em um mundo em que precisamos fazer várias tarefas simultaneamente e otimizar cada vez mais o nosso tempo, as vezes pagamos a fatura do cartão sem nem olhar o que está sendo cobrado. Fraudes com o cartão de crédito são muito comuns hoje em dia e, se você não ficar de olho, pode acabar pagando por algo que você não comprou.

Uma dica é já se antecipar e conferir os lançamentos na medida em que eles aparecem na fatura através do aplicativo do seu banco. Quanto antes você encontrar qualquer inconsistência ou cobrança indevida, mais fácil será o processo para cancelamento do lançamento.

Além disso, anualmente os bancos fazem a cobrança da anuidade. Se você não tiver atenção, pode ser cobrado e pagar por ela sem ter tido a chance de negociar com o banco.

6. Emprestar o seu cartão de crédito

Tenho um colega que diz que cartão de crédito é como esposa, ninguém empresta para outra pessoa. Então tenha muito cuidado ao fazer compras com o seu cartão para parentes e amigos. O cartão de crédito é uma forma de pagamento pessoal e intransferível e quando você dá a posse dele para outra pessoa, você dará total liberdade para ela comprar o que quiser e a responsabilidade para quitar as despesas será somente sua. A mesma regra se aplica aos cartões adicionais que você solicitar. Então, só faça isso se tiver como honrar os gastos feitos por terceiros ou você poderá entrar em apuros com dividas difíceis de serem quitadas.

7. Não utilizar ou acompanhar o programa de recompensas do cartão de crédito

A maioria dos cartões de crédito oferece algum programa de recompensas que pode oferecer pontos ou cashback. Na maioria dos casos, os cartões com cashback creditam o dinheiro de volta na próxima fatura, conta corrente ou, em alguns casos, o valor é depositado em uma conta de investimentos como os cartões ModalMais e XP Visa Infinite. Já os cartões que acumulam pontos geralmente oferecem entre 2 ou 3 anos para que o cliente faça uso deles, então é importante ficar de olho para não deixar os pontos expirarem. A exceção fica para os cartões mais sofisticados que geralmente oferecem pontos não vencem nunca.

Uma dica é utilizar a ferramenta AwardWallet que avisa quando os pontos estiverem próximos de vencerem, além de enviar notificações sobre toda a sua movimentação da sua conta tanto de acúmulos como de resgates.

Para maximizar os seus pontos é importante enviá-los para os programas parceiros apenas durante campanhas de transferência bonificada, que podem dobrar as milhas acumuladas. Acompanhe as promoções publicadas no Melhores Cartões e não perca nenhuma oferta.

8. Escolher um cartão que não está de acordo com o seu perfil

Antes de solicitar um cartão de crédito, é necessário analisar qual produto é o mais adequado para o seu momento na vida. Requisitos como política de isenção da anuidade, programa de recompensas e benefícios devem ser observados para você não fazer uma má escolha. Você prefere ter um cartão de crédito sem anuidade para sempre mas que não ofereça pontos e outras vantagens ou está disposto a pagar (ou ter que negociar ou cumprir metas de gastos) por um cartão com anuidade mas que oferece vários benefícios?

9. Pedir vários cartões ao mesmo tempo

Quem nunca teve vontade de preencher várias propostas para diferentes cartões de crédito? Eu já! 🙈 Esse desejo é comum quando os bancos oferecem pontos bônus para os clientes que aderirem aos seus cartões durante uma campanha promocional. Por mais que seja tentador, é preciso ter muito cuidado. Cada proposta preenchida irá gerar uma consulta ao seu score de crédito, que poderá reduzir a sua pontuação. Além disso, alguns bancos possuem políticas internas que determinam um prazo mínimo que o cliente deverá aguardar para solicitar um novo produto ou fazer uma nova solicitação. Então se por acaso você tiver a sua proposta negada, não adianta preencher outra logo em seguida.

Adicionalmente, ao realizar diversas tentativas para obtenção de crédito em um curto espaço de tempo, os bancos podem entender que você está em dificuldades financeiras e que pode não honrar seus compromissos. A melhor estratégia é você deixar passar alguns meses entre uma solicitação e outra.

10. Utilizar o cartão no exterior sem consultar a cotação cobrada

Utilizar o cartão de crédito no exterior é fácil, prático, cômodo e seguro. Mas você sabia que usá-lo fora do Brasil pode custar caro? Além da cobrança do IOF de 6,38, a grande maioria dos bancos cobra o chamado ágio/spread nas transações feitas em moeda estrangeira. A despesa adicional pode chegar até 7% e encarecer bastante as compras. Antes de utilizar o cartão fora do país, consulte o dólar cobrado pelo seu cartão de crédito e evite surpresas. Na maioria dos casos, a consulta pode ser feita pelo aplicativo ou home banking.

Como alternativa para economizar no IOF e no câmbio, considere abrir uma conta digital internacional. Essa modalidade de conta digital permite que o cliente mantenha um saldo em moeda estrangeira. Os depósitos ficam alocados no exterior e o usuário consegue abrir a conta sem sair do Brasil. Em alguns casos, a conta pode operar em paralelo com a conta corrente em reais, mas com dados distintos. O dinheiro pode ser movimentado através de um cartão de débito que permite fazer compras e saques em caixas eletrônicos.

Mas para quem preferir utilizar o cartão de crédito no exterior, existem opções interessantes com taxas menores e com acúmulo de pontos, milhas ou cashback.

11. Cancelar o cartão de crédito por impulso

Alguns cartões são bem difíceis de serem aprovados, o que pode requerer tempo e paciência para consegui-los. No entanto, os bancos e programas de fidelidade estão constantemente alterando as “regras do jogo” dos seus cartões, ou seja, fazendo mudanças nos benefícios oferecidos e nas regras de acúmulo e resgate de pontos. Infelizmente, a maioria dessas mudanças são prejudiciais ao usuário, o que pode causar muita frustração e vontade de “tesourar” o cartão ✂️💳.

Porém, é preciso ter calma e não agir por impulso. É preciso analisar se, mesmo com as mudanças negativas, ainda vale a pena manter o cartão. Avalie os benefícios que o cartão continua oferecendo e histórico de promoções realizadas. Lembre-se que, ao cancelar o cartão, você precisará passar por uma nova análise de crédito caso deseje solicitá-lo novamente e não há garantias de que o banco irá aprová-lo.

Por outro lado, se não faz mais sentido para você manter o cartão, você pode cancelá-lo, principalmente se ele cobrar anuidade. Mas se ele for um cartão livre da cobrança ou que você consiga isentá-la todos os meses, mantê-lo ativo pode ajudar o seu score de crédito. Quanto mais antigo forem os seus cartões, mas eles contabilizarão positivamente para a sua pontuação. Então reflita com calma antes de cancelar um cartão e, se tomar essa decisão, verifique os pontos acumulados e resgate-os ou eles poderão ser perdidos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *