Orseni Pequeno
31/10/2022 às 10:54

Prilex: como se proteger do vírus brasileiro que está clonando compras no cartão de crédito

Sabe aquele momento em que você passa o cartão de crédito para realizar um pagamento, a maquininha emite uma mensagem de erro e você precisa inserir novamente a senha? Parece algo normal, mas pode ser o Prilex em ação. 😨

O vírus de origem brasileira foi criado com a finalidade de roubar dados de cartões de créditos, cloná-los e permitir a realização de compras fraudulentas. De acordo com relatório da empresa de cibersegurança Kaspersky (disponível em inglês aqui), o Prilex chegou a desaparecer do mercado em 2021, mas reapareceu em 2022 em uma versão que possibilita a clonagem de compras específicas e não mais do cartão.

Como funciona o Prilex?

Em sua nova versão, o vírus está altamente direcionado. Os criminosos avaliam bem o estabelecimento antes de decidir sobre o ataque. Escolhido o alvo, entram em contato com a empresa ou enviam um falso técnico para atualizar o sistema do ponto de venda. Com acesso ao sistema, os golpistas instalam um programa legítimo que possibilita o posterior acesso remoto para instalação do Prilex.

Com o vírus instalado, os criminosos controlam os pagamentos. Quando o cliente insere a senha do cartão, o Prilex rouba os dados da transação e envia para o computador dos golpistas, que realizam outra compra de mesmo valor em uma máquina vinculada a uma empresa fantasma. Na máquina que está sendo utilizada pela vítima, é gerado apenas uma mensagem de erro, o que não é incomum e, por isso, não costuma levantar suspeitas de clientes ou comerciantes, que repetem e finalização normalmente a transação.

Como funciona o Prilex.

Como funciona o Prilex. (Imagem retirada do site da Kaspersky)

Como se proteger do Prilex?

A proteção com o Prilex consiste em acompanhar os lançamentos na fatura ou o extrato da conta, no caso de pagamento no débito. Caso a vítima não perceba o lançamento duplicado, vai ficar no prejuízo, não tem jeito.

Mas como você já conhece o modo de funcionamento do Prilex, é possível também alertar o proprietário do estabelecimento sobre a possibilidade de o sistema de pagamento estar infectado com o Prilex, mas essa solução não vai resolver de imediato o problema. E talvez não resolva também no longo prazo, já que o Prilex não causa prejuízo aos estabelecimentos, apenas aos clientes titulares dos cartões, então é pouco provável que o dono do estabelecimento vá se preocupar com isso.

Portanto, a melhor saída é mesmo ficar de olho na fatura do cartão e no extrato da compra, especialmente quando precisar repetir o pagamento.

A proteção contra o Prilex é conferir faturas e extratos.

Comercialização do golpe

O relatório da Kaspersky apresentou um número que pode indicar que a nova versão do Prilex está sendo bastante lucrativa para os golpistas.

De acordo com os especialistas da empresa de cibersegurança, em 2019, o vírus era vendido como um serviço ao preço de 3.500 dólares. Já em 2022, foi identificada uma suposta oferta de venda, ainda não confirmada, no valor de 13 mil dólares, o que representaria uma valorização de mais de 270% em apenas 3 anos.

Confirmada ou não a valorização do Prilex no meio criminoso, a nova versão do vírus representa uma grave ameaça aos clientes de cartões. Fique ligado para não ser mais uma vítima do golpe.

Conhece alguém que já foi vítima do Prilex?


Para acompanhar dicas, novidades e promoções sobre cartões de crédito, milhas, pontos e cashback, inscreva-se no Telegram do Melhores Cartões e siga o nosso perfil no Instagram @melhorescartoes.

app melhores cartões Baixe grátis o nosso app

Seja notificado imediatamente sempre que surgir uma nova promoção

ícone newsletter E-mail diário com promoções

Receba no fim do dia um resumo com as melhores ofertas do dia, as principais notícias e dicas para economizar

ícone newsletter Comunidade grátis no Telegram

Receba as promoções sempre que forem publicadas no site e participe da nossa comunidade

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *